Os Diretores Do SAS Pedem A Susana Díaz Mais MIR E Investimento Em Tecnologia

Os Diretores Do SAS Pedem A Susana Díaz Mais MIR E Investimento Em Tecnologia 1

�Onde vai o dinheiro economizado com os leilões de medicamentos? O propósito era fechar uma frente comum contra os ataques “fortes, brutais e nada inofensivos” que está recebendo a saúde pública andaluza. O discurso da presidente foi perfeitamente fio com o auditório ao qual estava destinado. Susana Díaz se transformou ontem em mais uma de os profissionais médicos que se sentiram ofendidos por “aqueles que tentam prejudicar a firmeza na saúde pública”. E, ao mesmo tempo, não teve nenhum preocupa em censurar a saúde privada.

Ao encerramento, vai mudar ou não a realidade, contudo tem oferecido às pessoas que vivem nessas zonas desfavorecidas a oportunidade de modificar tua vida. Você acredita que é possível investir melhor o dinheiro público, que se destina a estes planos? Dizem alguns jovens que vivem nesses bairros que têm que ocultar teu domicílio real em seus currículos e entrevistas de emprego para que os contratem. Isso é uma dupla discriminação que temos que combater.

Não necessitamos continuar estigmatizando estes bairros. Em Torreblanca, que é muito vasto, existem zonas com uma realidade muito dura, onde as famílias em situação de vulnerabilidade e de exclusão social; no entanto muitas novas têm uma circunstância digníssima pra viver perfeitamente. Efetivamente, são a maioria, em termos gerais.

o prefeito, parabenizo a fabricação dessa plataforma, em razão de a nação civil sevilhana e o teu tecido empresarial têm estado historicamente um pouco aletargados e parecem, afinal, despertar. Eu gostaria que esta plataforma não ficasse só pela reivindicação e fosse apto de vincular estímulos ao investimento.

Precisamos fazer uma observação conjuntural esta ocorrência e eu não estou pela argumentação o que foi chamado de “dívida histórica com a Sevilha”. A realidade é que, desde o começo da instabilidade, as administrações públicas têm abandonado o investimento em infra-estruturas em toda a Espanha, não apenas em Sevilha.

  • Sete de setembro: Hernán Belden Elizondo, deputado do PÃO no Novo Leão
  • 114 (conversa) 18:Dez 13 nov 2011 (UTC)
  • 2 Estádios 5.2.1 Parque Astúrias 1936-1947
  • 4 Medidas transversais
  • 1910: Alicia Markova, bailarina e coreógrafa britânica (m. 2004)
  • Inclusão sócio-laboral. Infância e família
  • 5L (esquerda) – 23R (Direita) com 3963m x quarenta e cinco m
  • Três cabildos muiscas: Cota, Chia e Sesquilé com uma população de dois 318 pessoas

no entanto, em novas cidades, mais do que em outros. Sim, isto é evidente em alguns casos, porém se analisarmos o investimento em infraestrutura nos últimos dez anos em 10 capitais espanholas mais povoadas, veremos que não há grandes diferenças. Estamos em um projeto inacabado de escolhas importantes que você precisa apressar-se e que, em teoria, se paralisaram na incerteza e na falta de desejo política.

O metro de lisboa tem inscritas nos orçamentos da Junta cem vezes mais dinheiro do que o metro de Sevilha. Enquanto novas cidades executados, nós continuamos a elaboração dos projetos. É incerto que não estejam redigidos os projetos. Eu os vi e vieram em caixas neste Município há agora bastantes anos, com Zoido-prefeito.

A Junta de Andaluzia está falando mal: estão redigidos e o que eles pedem é que se atualizem, isto é, rever os preços de acordo com as taxas atuais de construção. Em 2012 não tinha dinheiro e estes projetos se metido numa gaveta. Em 2016 eu me plantei em Madrid, no momento em que assumiu o governo de Rajoy, e assim como pela Assembleia, que governava Susana Díaz, para dizer que a Sevilha agora lhe toca. Em 2017, falou a Junta que se repetia o modelo de financiamento da linha 1 do metro.

O Governo central não argumentou que não, nem sequer que sim, e foi assinado um protocolo de estudo, entretanto antes de tomar uma decisão, houve uma mudança de Governo em Madrid. Com o novo Executivo, Ábalos me confirmou que sim, mas logo convocadas eleições para a Diretoria e eu fico sem interlocutor.

É desolador que um projeto tão essencial, que há dez anos parado, depende das convocatórias eleitorais. Tenho ido muitas vezes a debater o acordo pra financiar o Metrô. Não o consegui ainda, mas eu irei conseguir. Agora estou esperando que João Manuel Moreno Bonilla delibere, e acho que prontamente está tomando. Não vou comentar de outras cidades que não sejam a minha, contudo eu insisto em dizer que não houve grandes investimentos em infra-suporte em cada cidade espanhola.